Pular para o conteúdo principal

O desafio de ficar em pé

Deserto não é um lugar o qual se sonha, ninguém planeja férias no deserto do Saara. Quando se pensa nele lembra-se de calor, sede, cansaço, tempestades de areia, fome, morte... Todavia existem estradas que cruzam desertos, e por mais que elas sejam desconfortáveis são necessárias.

Sempre que se viaja para o interior as paisagens são absolutamente repetitivas, uma ou outra cidade bem pequena e intermináveis estradas que quase ligam o nada a lugar algum, alguns segundos olhando provoca o maior tédio. Olha-se e o que se vê são montanhas e montanhas de terra, só terra.

Talvez como a vida de muitos, que olham e não conseguem ver nada, olham de um lado para outro e não vislumbram sequer um Oásis onde reclinar o corpo cansado. Quantos têm vivido nessa sequidão!

Há o momento na vida de se apegar a um grande sentimento que norteia a vida de muitos: a honra. Esse sentimento liga diretamente àquele que criou todas as coisas inclusive você. Falo da honra de ser filho e assim usufruir a proteção pessoal do Pai.

Hoje as relações exteriores exercem, muitas vezes, influencia negativa no ser humano, ensinam lamentar perdas mesmo que isso o coloque em uma encruzilhada de derrota, aniquile definitivamente a capacidade de lutar. Esquece-se do imperativo de ficar em pé. É mais fácil lamentar o perdido do que recuperá-lo.

Você está cansado! Mude de atitude, corra atrás de seus ideais, não espere a derrota como única forma de conseguir algo. Alguém um dia disse para um dependente: “Isto não é jeito de se viver, mas sim jeito de morrer.”

O ser humano precisa de descanso, não somente descanso físico que faz bem para o corpo, mas descanso do emocional e do espiritual. Alguém um dia escreveu uma frase que mexe muito comigo? “todo o ser humano, por mais auto-suficiente que se considere, tem um vazio dentro de si que só pode ser preenchido com Deus”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vendavais

Pegue-se olhando uma árvore no tempo, o vento soprará e ela irá pra lá e pra cá em um movimento suave e harmonioso. Essa mesma árvore em meio a um vendaval, seu movimento se tornará agitado, complexo e desarmonioso! E não estando bem enraizada, cairá.

Assim somos nós, árvores, nas quais soprando os vendavais da vida. Nossas raízes precisam ser profundas e fortes na Palavra que é o solo que nos sustenta; é necessário buscar a obediência, a fé, a perseverança, a confiança, a atitude, em nos esvairmos de nós mesmos e nos enchermos de Deus. .

Não serão poucas às vezes em que a angústia, a saudade, as boas lembranças, mas também as decepções nos alcançarão. É como o vendaval que torna o movimento desarmonioso, nos afastando, mesmo que por um momento do que nos mantém de pé.

Um bom exemplo de raiz profunda foi o Jovem Davi, o qual diante de um tufão chamado Golias, firmado em Deus, sua essência, triunfou! Ele não enfrentou somente o gigante Golias, também precisou lidar com suas limi…
ALEGRIA - Postura positiva ou emoção favorável; deleite. A Bíblia menciona vários tipos de alegria. Até mesmo os ímpios podem experimentá-la quando triunfam sobre os justos (1 Co 13.6; Ap 11.10).

Entretanto, a alegria que o povo de Deus precisa ter é santa e pura. Ela se mantém viva apesar das circunstâncias e concentra-se no caráter de Deus.

O salmista, por exemplo, regozijou-se com a justiça (71.14-16), com a salvação (21.1; 71.23), com a misericórdia (31.7), a criação (148.5), a Palavra (119.14, 162) e a fidelidade de Deus (33.1-6).

As características divinas, bem como seus atos, são a causa desse regozijo.

A alegria exigida do justo vem do Espírito de Deus. Esse tipo de alegria focaliza além do presente ela enxerga a salvação futura (Rm 5.2; 8.18; 1 Pe 1.4,6) e ela enxerga o nosso Deus soberano, que faz com que todas as coisas cooperem para o bem.

Esse tipo de alegria distingue-se do mero contentamento. É possível ter alegria mesmo em meio à tribulação (1 Co 12.26; 2 Co 6.10; 7.4).

ESTÁ…