Pular para o conteúdo principal

Meus devaneios

Às vezes tenho saído da cama pensativo. Não entendo porque as relações humanas são tão difíceis, não entendo porque existe a guerra pelo poder e por saber quem manda mais ou quem pode decidir mais coisas. Os relacionamentos viraram uma verdadeira guerra de egos.

Na postura de Jesus em Seu ministério não se vê lutas. Vê-se um Mestre cheio de sabedoria, de amor, que ensinava, muitas vezes com duras palavras, mas que em nenhum momento os seus o tentaram derrubar ou acusar de alienação aqueles que o ouviam. Não vejo Jesus colocando capas de santificação em uns e despindo outros e os jogando à sombra do pecado. Ele via todos de igual modo, carentes da graça.

Como diz a bela melodia de David Quinlan e Heloísa Rosa, gostaria de voltar a ser criança, ter aqueles sentimentos puros, voltar a ter esperança de que as coisas ainda podem melhorar. Dói o coração de ver pessoas que sofrem por não terem o mesmo tratamento que outros. Viver como criança onde a maior briga era para ver quem escolhia o time para o futebol no campinho da esquina com a bola de couro, normalmente furada.

Como seria bom se os homens passassem a olhar uns para outros como Deus olha, acalentar aquele sentimento bonito, puro, de amizade e companheirismo. Tentando sempre extrair o melhor de cada um, juntar as experiências e correr juntos na mesma direção. Estou certo de que é utopia pensar assim, mas como uns já diziam: “Sonhar não custa nada”.

Sinto que a religiosidade tem destruído os relacionamentos. Hoje dentro de nossas igrejas aceitamos as pessoas muito mais pelo que elas têm do que pelo que elas são. Impressionante como falamos de boca bem aberta do amor de Jesus, dizemos o quanto Ele sofreu por amor a todos, até pregamos sobre o amor incondicional de Deus, mas não conseguimos amar o próximo quando ele traz consigo algumas marcas do seu passado. Dizemos que Deus ama o pecador, mas não aceitamos com bons olhos pessoas que foram divorciadas, ex prostitutas, e tantos outros “ex” que todos os dias se apresentam em nossas igrejas. Alguns até os aceitam, mas não podem ser membros da diretoria, não podem cantar nos corais, e às vezes até, não podem participar da ceia. Vivem à sombra do pecado.

Para mim, hoje vivemos o evangelho do não pode, ou, pelo menos, o não pode para os outros. O homem se esconde atrás de uma falsa capa de santidade e usa essa mesma capa para deixar aqueles que trazem marcas mais profundas numa posição sombria, sempre debaixo do jugo do pecado, mesmo que o discurso seja diferente.

Meus queridos, sonho com o dia em que a igreja será realmente um hospital para todos, por enquanto a considero um hospital particular, onde só quem pode mais usufrui dos cuidados.

Que Deus nos ajude!

Comentários

  1. Quero sonhar esse sonho também e quero de alguma forma contribuir para que um dia isso ocorra!
    Muito bom o blog, mesmo sem todos os recursos que vc tanto queria! hehe

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Vendavais

Pegue-se olhando uma árvore no tempo, o vento soprará e ela irá pra lá e pra cá em um movimento suave e harmonioso. Essa mesma árvore em meio a um vendaval, seu movimento se tornará agitado, complexo e desarmonioso! E não estando bem enraizada, cairá.

Assim somos nós, árvores, nas quais soprando os vendavais da vida. Nossas raízes precisam ser profundas e fortes na Palavra que é o solo que nos sustenta; é necessário buscar a obediência, a fé, a perseverança, a confiança, a atitude, em nos esvairmos de nós mesmos e nos enchermos de Deus. .

Não serão poucas às vezes em que a angústia, a saudade, as boas lembranças, mas também as decepções nos alcançarão. É como o vendaval que torna o movimento desarmonioso, nos afastando, mesmo que por um momento do que nos mantém de pé.

Um bom exemplo de raiz profunda foi o Jovem Davi, o qual diante de um tufão chamado Golias, firmado em Deus, sua essência, triunfou! Ele não enfrentou somente o gigante Golias, também precisou lidar com suas limi…
ALEGRIA - Postura positiva ou emoção favorável; deleite. A Bíblia menciona vários tipos de alegria. Até mesmo os ímpios podem experimentá-la quando triunfam sobre os justos (1 Co 13.6; Ap 11.10).

Entretanto, a alegria que o povo de Deus precisa ter é santa e pura. Ela se mantém viva apesar das circunstâncias e concentra-se no caráter de Deus.

O salmista, por exemplo, regozijou-se com a justiça (71.14-16), com a salvação (21.1; 71.23), com a misericórdia (31.7), a criação (148.5), a Palavra (119.14, 162) e a fidelidade de Deus (33.1-6).

As características divinas, bem como seus atos, são a causa desse regozijo.

A alegria exigida do justo vem do Espírito de Deus. Esse tipo de alegria focaliza além do presente ela enxerga a salvação futura (Rm 5.2; 8.18; 1 Pe 1.4,6) e ela enxerga o nosso Deus soberano, que faz com que todas as coisas cooperem para o bem.

Esse tipo de alegria distingue-se do mero contentamento. É possível ter alegria mesmo em meio à tribulação (1 Co 12.26; 2 Co 6.10; 7.4).

ESTÁ…

Melhor presente

Não tenho medo da morte porque sei que ela vai me levar um dia para junto de Deus, o que sinto é tristeza por ter que deixar esses três. De todas as alegrias que já tive nenhuma se iguala a honra que minha esposa me deu de ser pai, de gerenciar um ser que não é meu, mas do Senhor.
Não sou perfeito e nem busco ser herói para meus filhos, prefiro ensiná-los através da minha humanidade, das virtudes, mas também das debilidades e falhas, eles precisam ver que eu não sou perfeito, mas que em toda a minha vida eu tentei ser bom e amigo.
Se depois de minha partida quiserem dizer algo sobre mim, que possam erguer a voz com orgulho e dizer: foi meu amigo e me quis mais perto de Deus.
Meu desejo é viver com minha família como quem sabe que vai morrer um dia, e que eu morra como quem soube viver.
Como disse o apóstolo: esquecendo das coisas que ficaram para trás e prosseguindo para o alvo...