Pular para o conteúdo principal

Verdadeiro propósito

Vivemos num mundo marcado pelo racionalismo. As pessoas tendem a aceitar somente aquilo que pode ser detectado pelos cinco sentidos humanos. Em razão desta descrença, muitos se entregam aos seus próprios desejos, e tornam-se escravos do materialismo e do imediatismo, escravos da urgência.

Por causa dessa escravidão se tornam fiéis de um Deus invisível e sobrenatural, mas só realizam o humanamente viável, discípulos, mas só fazendo o que a própria mente orienta, crêem num céu incorruptível, mas correm para acumular tesouros terrenos. Não conseguem entender que a espiritualidade é o meio de alcançarmos o céu ou parte dele, agora mesmo!

Nesse Caminho para trilharmos a espiritualidade disponibilizada a nós, os olhos, os ouvidos, os dedos, a mente são instrumentos frágeis e limitados demais para medir a imensidão da existência a nós designada. É impossível tentar se relacionar com o Superior somente com os sentidos humanos. É como tentar medir o volume das águas do oceano com uma xícara.

Nossa vida precisa ser marcada por ESPIRITUALIDADE e não por FRIVOLIDADE. A proposta de Deus não é extra-sensorial, é ULTRA-SENSORIAL! Como disse Calvin Miller: “Deus se faz visível aos que o procuram no lugar certo.”

O mundo em que vivemos é de relacionamentos externos. Nele, cultivamos amizades, conquistamos sucesso, crescemos, progredimos, aprendemos! Diariamente, enfrentamos sobrecargas, medos, preocupações, temos compromissos, sofremos decepções, buscamos o poder. Diariamente, na superfície da vida, somos obrigados a nadar e conviver com coisas frenéticas e indigestas. Isto faz parte. Mas no coração e nas profundezas é bem diferente.

A maioria das pessoas passa a vida toda, sendo açoitados pelas duras ondas da superfície às vezes apenas iludidos com sua superficial beleza e nunca chegam a desfrutar a paz do coração do oceano. A questão é ir fundo, porque a profundidade revela a realidade de Deus, e a oração é a porta de entrada que permite vislumbrar as profundezas e explorá-las.

O grande tesouro está no fundo. A verdadeira espiritualidade não se julga pela posição de visibilidade, mas sim o quanto mais perto estejamos do Criador, mesmo que tão profundo estejamos. Um fato muito interessante é que: “As profundezas não são apenas tranqüilas e silenciosas, elas são também MISTERIOSAS.”

Você está satisfeito com uma lagoinha? Com uma poça? Será que sua espiritualidade está tão profunda quanto as águas de um pires? Precisamos cultivar relacionamentos profundos, que marquem nossa passagem nessa vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vendavais

Pegue-se olhando uma árvore no tempo, o vento soprará e ela irá pra lá e pra cá em um movimento suave e harmonioso. Essa mesma árvore em meio a um vendaval, seu movimento se tornará agitado, complexo e desarmonioso! E não estando bem enraizada, cairá.

Assim somos nós, árvores, nas quais soprando os vendavais da vida. Nossas raízes precisam ser profundas e fortes na Palavra que é o solo que nos sustenta; é necessário buscar a obediência, a fé, a perseverança, a confiança, a atitude, em nos esvairmos de nós mesmos e nos enchermos de Deus. .

Não serão poucas às vezes em que a angústia, a saudade, as boas lembranças, mas também as decepções nos alcançarão. É como o vendaval que torna o movimento desarmonioso, nos afastando, mesmo que por um momento do que nos mantém de pé.

Um bom exemplo de raiz profunda foi o Jovem Davi, o qual diante de um tufão chamado Golias, firmado em Deus, sua essência, triunfou! Ele não enfrentou somente o gigante Golias, também precisou lidar com suas limi…
ALEGRIA - Postura positiva ou emoção favorável; deleite. A Bíblia menciona vários tipos de alegria. Até mesmo os ímpios podem experimentá-la quando triunfam sobre os justos (1 Co 13.6; Ap 11.10).

Entretanto, a alegria que o povo de Deus precisa ter é santa e pura. Ela se mantém viva apesar das circunstâncias e concentra-se no caráter de Deus.

O salmista, por exemplo, regozijou-se com a justiça (71.14-16), com a salvação (21.1; 71.23), com a misericórdia (31.7), a criação (148.5), a Palavra (119.14, 162) e a fidelidade de Deus (33.1-6).

As características divinas, bem como seus atos, são a causa desse regozijo.

A alegria exigida do justo vem do Espírito de Deus. Esse tipo de alegria focaliza além do presente ela enxerga a salvação futura (Rm 5.2; 8.18; 1 Pe 1.4,6) e ela enxerga o nosso Deus soberano, que faz com que todas as coisas cooperem para o bem.

Esse tipo de alegria distingue-se do mero contentamento. É possível ter alegria mesmo em meio à tribulação (1 Co 12.26; 2 Co 6.10; 7.4).

ESTÁ…

Melhor presente

Não tenho medo da morte porque sei que ela vai me levar um dia para junto de Deus, o que sinto é tristeza por ter que deixar esses três. De todas as alegrias que já tive nenhuma se iguala a honra que minha esposa me deu de ser pai, de gerenciar um ser que não é meu, mas do Senhor.
Não sou perfeito e nem busco ser herói para meus filhos, prefiro ensiná-los através da minha humanidade, das virtudes, mas também das debilidades e falhas, eles precisam ver que eu não sou perfeito, mas que em toda a minha vida eu tentei ser bom e amigo.
Se depois de minha partida quiserem dizer algo sobre mim, que possam erguer a voz com orgulho e dizer: foi meu amigo e me quis mais perto de Deus.
Meu desejo é viver com minha família como quem sabe que vai morrer um dia, e que eu morra como quem soube viver.
Como disse o apóstolo: esquecendo das coisas que ficaram para trás e prosseguindo para o alvo...